Um fim de semana diferente

Publicado em: O Gaiense, 30 de Março

No domingo, 24 de Março, fez 14 anos, que a NATO iniciou uma intensa campanha de bombardeamentos sobre uma capital europeia, deixando atrás de si um cenário dantesco de destruição e morte. 

Belgrado é uma grande e bela cidade, com uma intensa vida cultural. 

Passei lá este fim de semana a convite de um novo movimento socialista, parte da coligação governamental, que realizou o seu segundo congresso nesta data tão marcante para os sérvios. 

Falei com muita gente e a enorme repulsa pelos autores da destruição da sua cidade é algo que parece uni-los a todos, desde a minha guia, Andreia, que era então uma criança como outras que ali morreram, ao meu motorista, o velho e afável Panta (nome real Pantovič), um dos muitos que espontaneamente encheram as pontes que ainda não tinham sido destruídas para tentar, como escudos humanos, evitar que a cidade se transformasse em ilhas incomunicáveis. Nós, que vivemos numa cidade de pontes, podemos facilmente compreender por que o fizeram.

É estranho ver, numa larga avenida com magníficos e bem conservados edifícios dos séculos XIX e XX, as pessoas esperarem calmamente o autocarro numa paragem à frente da gigantesca ruína de um moderno edifício classificado como património arquitectónico. 

“Uma acção de banditismo”, foi como o grande escritor inglês Harold Pinter, prémio Nobel da literatura, classificou o bombardeamento da televisão sérvia, cheia de jornalistas e outros funcionários, em retaliação por estes terem mostrado imagens das vítimas civis. Isto aconteceu poucos dias depois de a NATO ter assegurado, numa carta à Federação Internacional de Jornalistas, que a televisão não seria atacada.

( Embaixada dos EUA, pelos próprios transformada em bunker, com as janelas todas emparedadas)

Um 'demos' europeu em construção?

Concorde-se mais ou menos com ele. acho que vale a pena ler este interessante artigo do jornalista Leigh Phillips, publicado no blog Austerityland do

A European ‘demos’ is being built by accident

A couple of years ago in Brussels, I was at a debate on Europe and the crisis between Dan Hannan, the frothingly anti-EU but witty UK Tory MEP, and Giles Merritt, the avuncular secretary-general of the integrationist think-tank Friends of Europe. As it is wont to do at these sort of events, the perennial EU-dork topic of a ‘European demos‘ came up.

I’m probably butchering his argument and he’s welcome to correct me, but as I remember it, Hannan’s point was that the nation-state provides the best and only possible geography for popular, democratic endorsement of any particular set of policy options (austerity or otherwise), as the nation-state offers a natural demos (a self-aware political community), while there is no real European demos to speak of beyond European elites.

Outside of the Ryder Cup, Europeans do not think of themselves as European, so his argument goes, but rather as Greeks or Italians or Danes or Slovaks and so on, and they do not look to the European institutions as their representatives or government and never will. It is an unnatural formation compared to the demos that flows without effort from the unity and historicity of the nation.

Merritt conceded that the lack of a European demos went to the heart of how to manage the crisis, as the policy responses were far-reaching and European citizens did not really have a way to feel that they were participating in their construction. The economic crisis was of course simultaneously a political crisis and the one would not be solved without solving the other. The eurozone catastrophe thus had moved the long-standing question regarding a lack of a European demos out of the realm of political scientists (see for example this decade-old analysis) and thrust this vital question to the centre of debate.

But unlike for Hannan, for Merritt, the lack of a European demos was not something that was fixed, but something that could be changed, possibly through the construction of some sort of a political union atop what already exists, with the European Parliament taking a more decisive role. But most importantly, contrary to Hannon’s assertion, there was no such thing as a ‘natural demos’ historically. Via Mazzini and Bismarck, to take just two examples, what is now viewed as a natural demos in Italy and Germany once upon a time had to be constructed, and this, just as today, had happened in a mix of top-down and bottom-up ways.

Both characters, and other debaters who were there, had a lot more to say, and the conversation quickly turned to the economics of the subject at hand, but this tiny bit of the debate around a demos - a stale old argument become fresh again – was what stuck with me, and, in particular, a brief little concluding nugget of banter from Merritt.

As a throwaway line hardly remarked upon, Merritt at one point quipped that the growing number of anti-austerity demonstrations and movements that were emerging, whatever one thought of them (and I can’t imagine Merritt thinking very much) could ironically actually help create this ‘European demos’ so long lacking and desired by the EU’s visionaries, as across Europe, for the first time in history, the EU rather than any domestic actor was the focus of popular anger.

“Maybe these European ‘demos’ will give rise to a European demos,” he said in a joke that unfortunately fell a bit flat, as it required a subtle play on the plural of the English abbreviation for a political demonstration: a ‘demo’ (Just as in French, ‘manifestation’ becomes ‘manif’; in English, ‘demonstration’ becomes ‘demo’. But the former ‘demos’ is pronounced ‘dem-oze’ and the latter ‘demos’ is pronounced ‘dem-oss’). Still not getting the joke? Fine. As I said, it passed by largely unnoticed, despite its foresight. But roll with me here.

However groan-worthy and offhand the witticism, it has stayed with me as particularly lucid. In the last few months, as political instability and popular anger has exploded across a great swathe of Europe, it has kept appearing in my mind.

There are the votes for Syriza, Golden Dawn, Beppe Grillo’s Five Star Movement, the True Finns and Sinn Fein (all of which have radically different perspectives and, I stress, SHOULD NOT BE LUMPED TOGETHER, as some lazy analysts do, as a homogenous ‘southern populism’ [not least because Finland is not particularly southern]); and the phenomenon of the Indignados of Spain; the terrorist groupuscules of Athens; the general strikes that are now common across the bloc’s southern flank.

So far, the strikes are not properly co-ordinated across borders, although Europe’s first ever one-day cross-border general strike did indeed take place last 14 November touching Spain, Portugal, Greece and Italy (admittedly with varying levels of adherence). It is also true that much of Germany remains in thrall to the false Bild-Merkel narrative of a thrifty north and feckless south, but it is at the same time remarkable that despite this ideological uniformity, young Germans of ‘Blockupy Frankfurt’ demonstrated last May outside the ECB against European austerity in violation of the city’s banning the protest, with European banking superintendents (as opposed to local German objects of frustration) being the clear focus of their fury.

The loud voices of the anti-austerity thousands across Portugal last month singing once again, a generation later, 1974′s revolutionary anthem, ‘Grandola – Vila Morena‘ against the dictator Salazar, have gone viral, but it is just as noteworthy to hear the young and middle-aged and old equally packed in their thousands into Madrid’s Puerta del Sol singing the very same song in the language of their ancient Iberian rivals. Bulgaria has torn down a neo-liberal prime minister while Slovenia has been racked by its biggest uprising since the fall of Communism, with 42 protests across the country’s major cities since last november, against both local and European austerian and corrupt elites.

For the indignant of Europe, there are local comprador enemies of course, but the real object of the rage lives in Brussels, Frankfurt and Berlin. And the anger is reaching a boiling point, as the destabilisation of Greece shows. European elites should be (and are by all reports) terrified that such unravelling could spread to Italy.

On Thursday, as EU leaders met in that unelected senate that goes by the name of the European Council, which governs Europe from behind closed doors while never facing a general European election, some 15,000 people from across the continent braved a snowy, beautiful Belgian winter in the European capital to protest what these elites are imposing without permission from their subjects.

Protesters from Occupy the Troika, taking their inspiration from the Occupy Wall Street movement across the Atlantic, and calling for a “European Spring” akin to the Arab Spring, occupied the Directorate General for Economic and Financial Affairs, directing their anger at that stubborn lieutenant of austerity, Olli Rehn. Some 30 were arrested.

I don’t want to romanticise some aspects of the rainbow of different reactions to crisis and austerity. The right-most, of Golden Dawn, are murdering foreigners and intimidating theatre-goers to plays with gay characters. The pan-ideological Grillo mixes a confused and economically illiterate opposition to austerity with dark words for immigrants and kind words for fascists.

But the most progressive of these formations are beginning to come together at their own conferences and summits, earnest in trying to come up with constructive proposals about what a credible alternative to Rehnism should be. Discussions about what a good European Union would look like jostle up against arguments calling for the EU’s dismantling, and everything in between. Some of them I personally feel are bonkers. Others bear further investigation. Still others are brilliantly transformative while still thoroughly viable. The debate is tumultuous online.

I find it amusing to see how much aggravation the European institutions go through trying to navigate everyone’s different languages, but largely in an effort to keep everyone’s linguistic chauvinism in check, while down at the bottom of Europe, the forgotten and spurned – but hypereducated in many cases – just get on with it. This has so long been the argument of conservative critics of Europe – that without a common language, political unity is impossible. But here down below, a sort of euro-English is the rough lingua franca, while at the same time all languages are given their due. Even the smallest of language groups is taken into account. The interpreters and translators who work by day for the EU institutions, by night volunteer in other spaces in Brussels so that the young European opponents of European austerity can congregate and conspire and construct a better Europe. And so many of the young activists – the Erasmus generation – are multilingual or will teach themselves what needs to be learnt in the process of organising and campaigning.

I don’t want to suggest all of this is coherent or has all the answers, or even in agreement on what is to be done.

But here, underneath, from the streets and the workplaces and the schools, whatever you think of it, a genuine European demos is emerging. The shoots of a European spring are pushing themselves up through the hard earth of a long, long winter.

And these protesters are not Greeks or Italians or Slovaks or Danes. These protesters are Europeans.

E aqui fica o link para o site original, onde pode encontrar muito mais textos com interesse.

Lições de Chipre

Publicado em: O Gaiense, 23 de Março de 2013

Os acontecimentos em torno do “resgate” de Chipre podem ensinar-nos mais sobre a União Europeia do que muitos manuais de política ou economia. Ainda não sabemos como vai acabar, mas sabemos que estamos a viver algo que um dia os nossos netos estudarão nos manuais de história.

A decisão tomada na madrugada de sábado pelo Eurogrupo é rica em ensinamentos. Compreendemos que, quando 17 vítores gaspares se reúnem à volta da mesa para tomar decisões sobre o futuro de um país, tudo é possível, até a violação grosseira de uma Diretiva Europeia recente que dá garantia pública, em toda a UE, ao valor integral dos depósitos bancários até 100 000 euros. Mais chocante foi assistirmos, nos dias seguintes, às sucessivas declarações dos participantes na reunião que, um após outro, vieram dizer que não estavam de acordo com a decisão, entre eles o nosso Vítor Gaspar, o ministro das Finanças alemão, o francês, mas também o próprio governo de Chipre. O facto irritou Durão Barroso, que (como já o vi afirmar) está farto de que os líderes europeus tomem as decisões em Bruxelas e depois vão para os seus países queixar-se das decisões de Bruxelas; em resposta, a Comissão emitiu um comunicado lembrando que a decisão do Eurogrupo foi tomada por unanimidade de todos os Estados-Membros.

Curioso é também que esta decisão unânime do Eurogrupo tivesse zero votos a favor no respectivo Parlamento nacional. O que não pode deixar de nos lembrar, por contraste, que os portugueses elegeram um parlamento incapaz de dizer “não” sempre que foi vital para o país ter uma maioria de deputados com a coragem e a lucidez necessárias para o fazer.

Raramente a política europeia desceu tão baixo como no caso de Chipre. E nunca tinha sido tão clara a urgência de mandarmos para reforma compulsiva os políticos que têm dirigido a UE e os seus Estados-Membros nos últimos anos.

Chipre: Barroso desmente Gaspar

O ministro da Finanças, Vítor Gaspar, afirmou categoricamente, ontem na Assembleia da República, que tinha sido contra o plano de resgate a Chipre aprovado no sábado na reunião do Eurogrupo.
Hoje, a Comissão Europeia vem dizer que o plano foi aprovado por unanimidade.

Ou Gaspar mentiu na AR, o que é muito grave, ou então votou a favor, sendo contra, o que seria inqualificável.

Bom, o melhor é os meus comentários ficarem por aqui, que o que me apetece escrever não é compatível com a linguagem própria de um blog tão respeitável como este e a mãe do senhor ministro pode não ter culpa nenhuma das diabruras do filho.

European Commission statement on Cyprus

Brussels, 20 March 2013

Since the autumn of 2011, the possibility of assistance to Cyprus under a programme has been under discussion by the Cypriot authorities with the Commission. In July 2012, Cyprus formally asked for assistance under a programme. The need for assistance comes essentially from problems in the Cypriot banking sector which was unsustainably large for the size of the Cypriot economy. However, it was not possible to conclude negotiations on a programme with the previous Cypriot government.

Finally, last Saturday, in the Eurogroup, there was a unanimous agreement between the Member States including Cyprus on a programme that met the conditions fixed by the Member States, the ECB and the IMF, agreeing to lend EUR 10 bn to Cyprus. These conditions included reaching an acceptable level of debt sustainability and the corresponding financing parameters.

Whilst this programme did not in all its elements correspond to the Commission's proposals and preferences, the Commission felt the duty to support it since the alternatives put forward were both more risky and less supportive to Cyprus's economy.

This programme was not accepted by the Cypriot parliament.

It is now for the Cypriot authorities to present an alternative scenario respecting the debt sustainability criteria and corresponding financing parameters.

The Commission has done its utmost to assist Cyprus and to work for a Constructive and managed solution. However, decisions are taken by the Member States and no decision can be taken without their cooperation including Cyprus itself. The Commission continues to stand ready to facilitate solutions and is continuing contacts with Cyprus, the other Member States in the Eurogroup, the EU institutions and the IMF.

Regarding the one off levy on deposits BELOW 100.000 euros: The Commission made it clear in the Eurogroup BEFORE the vote in the Cypriot parliament, that an alternative solution respecting the financing parameters would be acceptable, preferably without a levy on deposits below 100.000 euros. The Cypriot authorities did not accept such an alternative scenario.

Pode encontrar a declaração aqui .

De cimeira em cimeira...

Publicado em: O Gaiense, 16 de Março de 2013

No início do Conselho Europeu (CE) desta semana, o presidente do Parlamento Europeu (PE) lembrou que, desde a última cimeira de Primavera (onde anualmente se define a política económica e social da UE), dois milhões de pessoas perderam o emprego e muitos europeus foram lançados na pobreza; reafirmou que o PE não acredita que as consequências da crise financeira possam ser superadas através de cortes orçamentais e que a implementação dogmática de políticas de austeridade não tem qualquer sentido e só pode aprofundar a recessão.

Pelo seu lado, o presidente do CE, Herman van Rompuy, em carta aos chefes de Estado e de governo, chamou a atenção para os enormes atrasos na transposição de medidas para as legislações nacionais, por exemplo, a directiva sobre os atrasos nos pagamentos, com enorme relevância para a actividade económica, decidida há já dois anos, tem como data limite para estar transposta hoje, 16 de Março, no entanto na maioria dos Estados Membros o trabalho não foi feito, talvez (digo eu) porque os Estados são frequentemente dos maiores prevaricadores no que respeita ao pagamento atempado aos cidadãos e aos fornecedores.

O Partido Popular Europeu (a que pertencem o PSD e o CDS), que define e comanda as políticas da UE que nos trouxeram à situação actual, tem visto os seus governos caírem um após outro em sucessivas eleições. Daí a pressa de van Rompuy de aprovar tudo o que for possível antes das eleições europeias de 2014. Pois, como afirmou o primeiro-ministro do Luxemburgo, há "grandes preocupações sobre os próximos desenvolvimentos" e não exclui que possamos "assistir a uma rebelião social". De facto, cada vez mais europeus pensam o mesmo, que isto só mudará dessa maneira e que as eleições de 2014 serão um momento importante para que essa rebelião se expresse também nas urnas e ajude a mudar a Europa para que deixe de ser um instrumento de massacre das populações às ordens dos mercados financeiros.

Hugo Chávez e o paradoxo da política europeia

Publicado em: O Gaiense, 8 de Março de 2013

Morreu um dos mais carismáticos líderes latino-americanos desde Simon Bolívar. Muitos políticos e militares da região começam por se expressar através de um natural sentimento de amor à pátria. Mas, com a histórica e violenta interferência dos EUA na América Latina e Caraíbas (no seu quintal, como consideram), o sentimento nacionalista transforma-se em anti-imperialista e, por essa via, vai assumindo um carácter anticapitalista, já que o império se arroga em bastião de defesa deste sistema. Esta evolução é acentuada por outros dois factores: as desigualdades sociais mais gritantes do globo, com milhões na miséria absoluta, convivendo com fortunas colossais das oligarquias que funcionam como pivôs das multinacionais que exploram os recursos da região; e de uma direita política e mediática ao serviço desta classe, tão agressiva e radical que faz com que a direita mais radical da Europa pareça um grupo de meninos de coro.

Chávez escolheu o seu lado e levou-o às últimas consequências. As suas políticas sociais transferiram para os mais pobres o equivalente a centenas de milhares de milhões de euros, milhões saíram da pobreza e do analfabetismo e passaram a ter direito a cuidados de saúde. Esta rápida evolução social foi medida e confirmada por todos os institutos de análise mundial.

Isto fez-se à custa dos anteriores beneficiários dos rendimentos do petróleo: as multinacionais europeias e americanas e os mercados financeiros, cujos acionistas sem rosto nunca lhe perdoaram ter desviado para os pobres os seus dividendos milionários.

Trabalhando a favor da grande maioria, nada mais natural que Chávez tenha vencido todas as eleições a que concorreu. Não há aqui nenhum paradoxo. Paradoxo existe é na Europa, onde as eleições têm sido sistematicamente ganhas por políticos que empobrecem as suas populações para satisfazer as exigências e os interesses dos mercados financeiros internacionais. Pode ser que o vento do Atlântico nos traga um pouco da inspiração e da coragem do homem que morreu e da sua revolução que continua viva.

Eleições spaghetti

Publicado em: O Gaiense, 1 de Março de 2013

As eleições desta semana deixaram a Itália e a Europa ainda mais baralhadas. A grande derrotada foi a política de austeridade, que viu o seu apóstolo local, o atual primeiro-ministro, reduzido a 10%. Mario Monti, rosto do Goldman Sachs em Bruxelas e rosto de Bruxelas em Itália, teve uma resposta clara da cidadania. Com o seu habitual fairplay democrático, Bruxelas já veio avisar que, apesar do voto, a política de austeridade é para continuar (quem é que os italianos pensam que são para estarem a definir qual é ou deixa de ser a política para o seu país?).

A Itália é vítima de um estapafúrdio sistema eleitoral, recentemente redesenhado por Berlusconi, que é suposto resolver impasses com algumas batotas mas que, desta vez, nem isso conseguiu fazer. As principais distorções da expressão de vontade dos eleitores são conseguidas à custa de limiares mínimos para a obtenção de assentos (10% para coligações, 4% para partidos, com algumas variantes mais complexas) e sobretudo de um generoso prémio ao vencedor, que fez com que a coligação de Bersani, com 29,54%, ficasse com 345 lugares e a coligação de Berlusconi, com uns muito semelhantes 29,18%, apenas com 125. Virou-se o feitiço contra o feiticeiro.

A coisa complica-se porque há ainda o Senado, com poderes muito semelhantes à Câmara dos deputados, mas com um sistema de batota diferente: região a região, ao partido que ficar à frente, qualquer que seja a sua percentagem, dão-lhe 55% dos lugares. E Bersani não dominou o Senado.

Quanto mais conheço os sistemas eleitorais na Europa, mais aprecio o sistema português: muito simples, relativamente proporcional, claro para os eleitores. Espero que os engenheiros de maiorias artificiais que por cá também existem, cheios de argumentos e apetite aguçado, nunca consigam destruí-lo.